A relação terapêutica: um Espaço Transicional






Amor, indiferença, ternura, raiva, ódio, afeição...
Gratidão, inveja, ciúme, paciência, serenidade,  intolerância...
Impaciência, harmonia, tranquilidade, preconceito, arrogância...
Carinho, respeito, angústia, perfeccionismo, tolerância...


Sentimentos, pensamentos, atitudes são os veículos de nossa expressão no mundo.
O que fazemos com eles? Podemos ofertar, guardar, esconder, camuflar... criar, reproduzir, repetir, perverter...

Todos são nossas criações... e merecem nossa atenção! Todos fazem parte de própria constituição, da própria história, do próprio Ser.


Quão importante é compreender a si mesmo! Ser livre para deliberar sobre as próprias decisões, consciente da responsabilidade, dos reflexos e consequências da própria conduta. Saber-se como protagonista da própria história, entendendo porque a vida flui tão bem numa direção, e descobrir porque ela estanca em determinados caminhos...

Viver uma possível liberdade pessoal, de posse de si mesmo, ampliando o próprio alfabeto emocional! Esse é o caminho da saúde emocional e psíquica.

Mas como lidar com nossos sentimentos? Como não ficar refém daquilo que sentimos e que nos faz agir? De modo 'aparentemente' incoerente, nos acomodamos ao que nos incomoda...Vamos ajeitando a vida, sem perceber que uma boa parte do nosso "entulho" emocional vai se acumulando por baixo do tapete psíquico.

Pode ser uma doença ou um sintoma, um vício ou mania, modos de ser e agir. São sinais que dizem a respeito dos conteúdos conscientes e inconscientes em jogo na nossa vida.

Desprezar o significado de cada um deles em nossa jornada é impedir de se alfabetizar emocionalmente. Segue-se, assim, à deriva de si mesmo.

Cada pessoa vai trilhar esse caminho de maneira singular, porém nem sempre é possível caminhar sem auxílio. E esse auxílio pode vir de uma escuta especializada e treinada teórica e tecnicamente, como no caso da escuta psicoterapêutica.

É desse modo que o processo psicoterapêutico ou analítico vem auxiliar aqueles que desejam proporcionar a si mesmos novos caminhos.

A psicoterapia é um processo que todo indivíduo pode buscar,  proporcionando, àqueles que a buscam,  uma experiência de reelaboração de suas questões, dúvidas, angústias, criando novos caminhos para o viver.

Ao psicoterapeuta é necessário uma disponibilidade dos próprios conteúdos psíquicos como interlocutores do cenário que se delineia, sessão a sessão.

Estabelece-se, assim, uma interlocução, onde aquele que busca ajuda para a compreensão das próprias vivências e suas repercussões, encontra uma escuta teórica e tecnicamente especializada, que o acolhe.

Neste encontro, dinamizar-se-á a criatividade pessoal e o gesto espontâneo.
Neste encontro, dar-se-á novos sentidos à própria jornada.

Alguma "dor" talvez seja necessária para colocar-se em movimento, tirando a ferrugem que corrompe nossa liberdade emocional, porém é ali, onde há um grito silenciado, que a energia da vida espera sua liberdade...




______________________________________________________________________________
Psicóloga Andréa Tarazona
Atendimento à Adultos e Adolescentes
Orientação à Gestantes, "Tentantes",  Pais e Mães de bebês


Comentários